Informativo

Ciclovias e ciclofaixas: alternativas sustentáveis de mobilidade urbana

A adoção de veículos sustentáveis tornou-se um dos pontos de grande importância quando se pensa em mobilidade urbana. Menos poluentes e motivadores da prática de atividade física, as bicicletas, por exemplo, têm ganhado destaque como uma alternativa consciente e benéfica para a locomoção nas grades cidades.  

Coincidência ou não, corporações se atentaram com a mudança gradual dos hábitos e se anteciparam na disponibilização de aluguel de bicicletas pelos centros urbanos.  

Nesse novo cenário, não é raro perceber que as bicicletas ficam espremidas em meio ao trânsito. Disputando espaços entre os automóveis, ciclistas amadores e até mesmo os que delas se utilizam para entregas de encomendas, percebem a escassez de um espaço livre para sua circulação. Vem daí a necessidade das cidades contarem com ciclovias e ciclofaixas. 

Vale lembrar que existe uma diferença entre ambas. A ciclovia tem uma delimitação física, impedindo o contato da bike com os outros veículos na pista, como carros e caminhões. Essa separação pode ser feita por meio de uma grade, mureta ou outros tipos de isolamento, visando a proteção do ciclista, principalmente em avenidas e locais mais movimentados. 

Já a ciclofaixa não possui limitação física. Nesse caso, é comum haver uma faixa, “olhos de gato” (sinalização capaz de refletir a luz dos faróis dos automóveis, permitindo a indicação dos limites da rodovia durante viagens noturnas) ou “tartarugas” (sinalização com função de reduzir a velocidade dos veículos quando é necessário restringir espaços cujo acesso é restrito), separando a área do asfalto. A ciclofaixa é mais fácil de encontrar em lugares onde o trânsito é mais tranqüilo, se tornando mais econômica do que a primeira. 

No Brasil, as áreas destinadas às bicicletas representam apenas 1% do espaço urbano. No Estado do Rio de Janeiro, apenas 15% da população declara viver próximo a alguma ciclovia ou ciclofaixa.  

A micromobilidade é um dos temas que motivam ao novo debate e fazem da Arquitetura e Urbanismo o instrumento de operacionalização de resultados para um futuro mais saudável na convivência coletiva. O CAU/RJ motiva a busca por soluções. Venha com a gente pensar o futuro!  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS

Arquitetura Indígena: “a moradia indígena é a primeira casa brasileira”, diz José Portocarrero

Reviver Centro: a ocupação e a relação com o tempo

Projetos de Lei buscam tornar calçadas mais acessíveis